quarta-feira, agosto 24, 2005

The meaning of life

Volta e meia, dá-se connosco a pensar nele, ou porque não temos nada para fazer, ou porque alguma coisa acontece que abana os nossos eixos (ou as duas coisas). A vida, de repente, troca-nos as voltas, leva-nos aos píncaros, atira-nos ao chão, dá-nos um murro no estômago e logo a seguir diz "estava só a reinar contigo!". Assumimos o pessimismo e afinal está tudo bem; mergulhamos no optimismo e estatelamo-nos. Vamo-nos cruzando com pessoas que nos parecem fundamentais e que acabam por se diluir. Conhecemos pessoas que nos pareciam distantes e afinal estão mesmo aqui. Abrimos os olhos subitamente e assustamo-nos!: afinal, como vim eu aqui parar?! 2 minutos depois, o senhor do café devolve-nos o nexo quando nos pergunta "é o costume?". Medos, expectativas, esperanças, desilusões, remorsos e frustrações, alegrias, surpresas e comoções, tédios e alucinações, certezas, dúvidas e indecisões, esforços inglórios e graças inesperadas... ele há de tudo e não adianta tentar passar com pézinhos de lã; há sempre um BÚ! atrás de uma porta.
Conclusão? Isto pode fazer tudo imenso sentido; de certeza que não é suposto eu entender.

1 comentário:

ISA disse...

Não penses muito que isso dá cabo da cabeça. Bjs.