quarta-feira, outubro 11, 2006

Coisas que me fazem pensar que ainda tenho uma réstia de sanidade

Estive à beira de me vestir de espanhola flamejante e sair de casa às 2 da manhã para ir ao aniversário do Lux. O facto de estar engripalhada e de se tratar do segundo dia de uma semana de trabalho estava a pesar pouco no contrabalanço da revitalização de cowboyadas passadas, através do delicioso surrealismo da temática Almodovar/Fellini. Não ser noite de fim de semana tornava a tentação praticamente irresistível... e não há nada que dê mais gozo do que cagar para a manhã seguinte.

Só consegui ouvir os gritos e pulos desesperados do meu neurónio do bom senso quando ele não teve outro remédio senão provocar-me um desalmado ataque de tosse que me deixou praticamente roxa quando ainda nem sequer estava maquilhada.

Foi com tristeza, mas com uma consciência tranquila, que voltei a pendurar a saia vermelha das bolas no armário. Tomei um comprimido e enfiei-me na cama, como uma menina bonita.

7 comentários:

Camélia disse...

Podias ter ficado com a saia vestida. Doente, mas em grande. Olé!

Osga Esparramada disse...

Sim, não vejo porquê despir tal indumentária!??!??
Afinal, tens o teu quê de espanhola!

ISA disse...

tá demais este post. cada vez gosto mais de te ler. o que já me ri a imaginar-te... LINDO! bjs

C. disse...

As melhoras, guapa! ;)

marsalho disse...

Às 9 da manhã ainda se viam pessoas à porta... diria que fizeste bem em ficar em casa.

Mipo disse...

tinha entrado sem fila; se não fosse a malfadada gripe...

Rui disse...

É o que dá ter um neurónio!
Eu deixei os que tinha no Plateau, há uns anos. Agora sobrevivo com piloto automático.
Com que então o Lux fez anos. Soubesse eu disso não tinho ido, claro, e tinha ficado triste.